Tag Archives: PIB

PIB per capita continua em queda

19 Jun
O PIB per capita em Portugal baixou pelo 2º ano consecutivo, atingindo, em 2012, 75% da média da União Europeia. Este é o valor mais baixo da série.
Face ao ano anterior, Portugal apresenta o 2ª maior decréscimo no PIB per capita (a seguir à Grécia e juntamente com o Chipre e Holanda).
O PiB per capita português é o 2º mais baixo da zona euro (a seguir à Estónia e juntamente com o da Grécia e Eslováquia) e o 8º de toda a União Europeia.
Na zona euro, o PIB per capita manteve-se, pelo 2ª ano consecutivo em 108% da UE27.
O PIB per capita português encontra-se, por exemplo, 42% abaixo do PIB per capita da Irlanda; 38% abaixo do PIB per capita da Alemanha; 31% abaixo do PIB per capita da França; 23% abaixo do PIB per capita de Espanha, ou 18% abaixo do PIB per capita do Chipre.

20130619-154740.jpg
Fonte: GPPS

Economia continua em queda

5 Jun

Os dados divulgados hoje pelo INE, revêm em baixa o valor do PIB avançados no mês passado na estimativa rápida. Assim, no 1º trimestre de 2013, a economia portuguesa caiu 4,0% em termos homólogos e 0,4% em termos trimestrais (-3,9% e -0,3% na estimativa rápida).
A economia portuguesa apresenta a recessão mais prolongada de sempre: dez trimestres consecutivos de quebra no PIB (em cadeia e/ou nove em termos homólogos). É o valor mais baixo do PIB, em termos reais, desde 2000. Em dois anos, esta recessão já retirou da economia 9,3 mil milhões de euros.
Segundo o INE, “A redução mais acentuada do PIB em termos homólogos foi determinada pelo comportamento da procura interna, que passou de um contributo de -4,6 p.p. no 4º trimestre de 2012 para -6,4 p.p.. O contributo positivo da procura externa líquida aumentou, situando-se em 2,3 p.p. (0,8 p.p. no 4º trimestre de 2012), em resultado da diminuição mais intensa das Importações de Bens e Serviços.”

A procura interna caiu 6,3%, em termos homólogos, traduzindo-se numa redução mais acentuada que a verificada no trimestre anterior (-4,5%). Esta evolução deveu-se ao contributo mais negativo do Investimento, com uma variação homóloga de -16,8% (-2,1% no 4º trimestre de 2012).
O consumo diminuiu 4,2% face ao mesmo período de 2012, com o consumo privado a baixar 4,3% e o público 4,0%.
As Exportações cresceram de 0,1%, em termos homólogos. Este resultado foi determinado pelas exportações de serviços que aumentaram 1,2%. Em sentido oposto, as exportações de bens diminuíram 0,3%.
As importações cairam 6,0%, em termos homólogos, o que compara com a variação de -2,3% no trimestre anterior. Esta evolução refletiu, em larga medida, o comportamento das importações de bens, que apresentaram uma taxa de variação homóloga mais negativa (-6,0% e -2,0%, respetivamente no 1º trimestre de 2013 e no 4º trimestre de 2012), bem como o comportamento das importações de serviços (variações de -5,8% e -4,2%, pela mesma ordem).
Fonte: GPPS

Os falsos mitos

3 Jun

Domingos Amaral escreve sobre os falsos mitos económicos da Europa.  Dos 6 mitos a que faz alusão, deixo aqui o:

MITO 1 – As dividas dos países do Sul têm de ser pagas, custe o que custar. 

É o mais grave mito que atinge a Europa no presente, onde se mistura uma moralidade de merceeiros com a cegueira dos fanáticos.

Há uma coisa que os europeus deviam meter de vez na cabeça: os países do Sul não têm qualquer hipótese de pagar as dívidas.

Veja-se por exemplo Portugal: a dívida pública atinge 127% do PIB, e a dívida privada, de que se fala menos porque não dá jeito, atinge 340% do PIB.

Sim, leu bem, no total a dívida de Portugal quase chega aos 470% do PIB nacional! E, parecidos connosco, estão a Grécia, a Irlanda, Chipre, a Espanha, a Itália.

Estas dívidas nunca serão pagas.

Enquanto os europeus não perceberem isso, e não reestruturarem as dívidas, e mutualizarem uma grande parte delas, as economias europeias continuarão afocinhadas no desespero e no desemprego.

Leia aqui  os outros 5 mitos.

Está aí alguém ?

16 Maio

2137214329_48b5e371d7_o

O Instituto Nacional de Estatística ( INE) revelou ontem que a economia portuguesa, no primeiro trimestre deste ano,  tinha contraído 3,9 %, em termos homólogos, representando o maior agravamento dos últimos nove meses da recessão que atinge Portugal.

Numa Europa já com nove países em recessão, Portugal foi o terceiro país que mais viu a sua economia contrair, apenas com a Grécia e o Chipre a apresentarem uma queda da sua economia superior.

A economia portuguesa apresenta a recessão mais prolongada de sempre: dez trimestres consecutivos de quebra no PIB (em cadeia e/ou nove em termos homólogos).

Em 2008/2009 (grande recessão a nível mundial), a economia portuguesa retraiu quatro trimestres consecutivos. Agora,  já vai na 10º quebra consecutiva .

Segundo as projeções da Comissão Europeia, o PIB português deveria ter caído, neste 1º trimestre de 2013, 3,7% em termos homólogos e 0,1% em termos trimestrais, mas afinal a quebra foi mais acentuada. Segundo este organismo, o PIB deverá contrair até ao 1º trimestre de 2014 (em termos homólogos).

Recordo que as últimas projecção do Governo e da “troika” (revistas), apontam para uma queda do PIB de 2,3% este ano e um crescimento de 0,6% para 2014.

Desde 2011, a taxa de desemprego aumentou de 12,5 % para  17,5 %, um crescimento em menos de 2 anos de 400 desempregados por dia ou 17 por hora.

 Há mais de um milhão de desempregados, cerca de 40 % é desemprego juvenil, a  4.a mais alta da UE, mais de 13 mil são casais com ambos os cônjuges desempregados , o triplo desde que chegaram ao governo, aumenta o número de desempregados com mais de 50 anos, 21 empresas por dia declaram insolvência, o credito de cobrança duvidosa às empresas, aos particulares,  à habitação e ao consumo disparam.

Perante esta realidade, os portugueses interrogam-se: “ Está aí alguém? “

No Diário As Beiras

Análise anual do (de)crescimento na UE

4 Dez

Em 2012, a conjuntura económica na UE permaneceu frágil. Em relação ao ano considerado no seu conjunto, prevê-se atualmente uma contração do PIB de 0,3 % na UE e de 0,4% na área do euro. Será necessário tempo para que a retoma sustentável seja realidade. Após vários anos de crescimento moroso, a crise está a desencadear graves consequências sociais. Os sistemas de segurança social amortizaram alguns dos seus efeitos numa primeira etapa, mas o seu impacto repercute-se atualmente de forma generalizada. Registou-se um aumento substancial do desemprego, bem como das dificuldades económicas e da pobreza. (…)” Comunicado da Comissão Europeia que pode ser lido aqui

Governar por Excel

19 Nov

“En un mundo normal, el hundimiento del PIB de Grecia un 7,2% en los últimos 12 meses sería otro clavo más en el ataúd de la austeridad. En el mundo actual es una noticia que pasa desapercibida mientras elegantes hombres de Estado debaten fórmulas para que la realidad se parezca a la hoja Excel con la que acuden a sus reuniones intergubernamentales.” Nuño Rodrigo no 5 dias

Financiamento Internacional

oportunidades e recursos

Praça do Bocage

Conversa sobre o que nos dá na real gana…

almôndega

narrativas, cebolas e molho vermelho

Recordar, Repetir e Elaborar

O de sempre, só que de novo.

Pra Fora

Depositário do que eu vejo por aí

O Informador

Jornalismo, média, actualidade nacional e internacional

Palavras ao Poste

A OPINIÃO (QUASE) CERTEIRA

%d bloggers like this: