Tag Archives: Coimbra

R.I.P. Monteiro Valente

4 Set

Monteiro Valente

Faleceu o Major-General do Exército na reserva Augusto Monteiro Valente, que foi segundo comandante da GNR de Coimbra.
Funeral realiza-se amanhã, dia 5, pelas 10 horas, saindo da Igreja Nossa Senhora de Lurdes em Coimbra para o Complexo Funerário da Figueira da Foz, onde será cremado.

” (…) Que força terrível te puxou assim, companheiro, para longe da terra da fraternidade, tão sonhada, quando os cravos se ergueram e as armas se calaram? (…) ” escreveu Casimiro Simões.

Vamos levar lhe os cravos vermelhos que tanto gosta.

Lembram-se ?

28 Ago

Com as eleições autárquicas no próximo ano, o PSD resolveu utilizar a estratégia de “encanar a perna à rã” no Sistema de Mobilidade do Mondego, votando contra a irreversibilidade da ferrovia. ” Cada dia que passa aumenta a factura que vamos ter de pagar ” afirmava Miguel Macedo há pouco mais de um ano e garantia a ferrovia como solução.

Em Maio de 2011, apesar da contestação as obras estavam em execução

Ainda em Março de 2011, João Rebelo , ex vereador de Carlos Encarnação e Administrador da Metro Mondego, garantia a continuidade da obra e o lançamento de novos concursos

Entretanto vieram as eleições e Passos Coelho compromete-se em reactivar a linha, que todos sabem tecnicamente impossivel no novo canal

Um ano e pouco depois … reina o silêncio.

Zeca Afonso

20 Fev

José Afonso, “o rosto da utopia”, recordado por todo o país nos 25 anos da sua morte

UM SÁBADO PERFEITO, DESEJA-SE

29 Maio

O Mundo parece mais uma roleta russa, António

16 Maio

“(…)O mundo está cercado por uma teia imensa, mais tenebrosa do que o Labirinto de Creta, de onde não se podia sair. Uma teia dos interesses do capitalismo financeiro a que alguns chamam capitalismo de casino – e a que eu chamo de capitalismo sem açaime. Este capitalismo morde e mata. Foi o capitalismo especulativo, que colocou os países à beira da derrocada financeira, obrigou os Estados a endividar-se e a tomar medidas restritivas para fazer face à crise que o capitalismo provocou – esse capitalismo especulativo, sem açaime. Mas os estados que se endividaram para evitar a crise vão recorrer aos mesmos especuladores que a provocaram. É por isso que estamos cercados; (…)”

António Arnaut às Beiras

A OPÇÃO CERTA NO FUTURO

14 Maio

 

“A verdadeira medida de um homem não se vê na forma como se comporta em momentos de conforto e conveniência, mas em como se mantém em tempos de controvérsia e desafio.” Martin Luther King

Aproxima-se mais um acto eleitoral na concelhia de Coimbra do Partido Socialista, e com ele, a necessidade dos militantes optarem por uma das três candidaturas que se apresentaram. Cada um dos candidatos me merece o maior respeito e consideração, para além da natural amizade que me une a eles. Cada um, à sua maneira, tentará rapidamente reorganizar uma estrutura completamente à deriva, a que apenas a falta de bom senso,  ou por condicionalismos diversos, terá impedido  o seu actual presidente de desligar a “máquina” que , artificialmente, garantia a sua existência.

A última liderança concelhia, e tudo o que dela resultou, por tão má que foi retira-nos a  vontade para voltar a falar dela. Apaguemos todo esse período. Essa liderança sobreviveu porque faltou uma oposição consistente e coerente, respeitadora das expectativas nela depositadas pelos muitos militantes que a apoiaram. Confundir cooperação política com desvio dos objectivos traçados e unidade com incoerência foi, do meu ponto de vista, um erro estratégico, mesmo que a sua reparação seja possível no futuro.

O PS Coimbra vive, pois, um momento decisivo na recuperação da sua imagem externa e na credibilização de um trabalho político orientado para os cidadãos e mobilizador dos seus militantes. Não há mais tempo a perder nesse desígnio, nem existem condições para insistir no erro.

Esse é o desafio que se coloca aos candidatos e também aos militantes nas suas escolhas. O futuro do PS Coimbra não pode ser hipotecado por um exercício do poder assente em projectos pessoais mas orientado para uma mobilização do interesse colectivo; Não podemos continuar a pactuar com a mentira e jogos de poder que apenas conduzem ao desencanto colectivo mas tem de ser possível encontrar uma liderança que mantenha o rumo e a coerência das suas posições, verdadeiro para com os militantes na determinação das suas posições e na execução do projecto que assuma; Temos de ser capazes de expurgar da condução dos destinos do partido todos aqueles que não revelam qualquer noção da ética republicana, concebendo o partido apenas como “ um agrupamento de cidadãos para a defesa abstracta de princípios e elevação concreta de alguns”, só para citar Carlos Drummond de Andrade.

O calculismo, a hipocrisia, a ambição desmedida e a lógica dos interesses são sintomas de uma grave doença que alguns transportaram para o interior do sistema partidário e que tem destruído as convicções dos que nele militam por princípios e valores.

Acredito que os militantes da concelhia de Coimbra saberão fazer as opções adequadas que permitam o afastamento do poder daqueles que são responsáveis pelo estado actual do PS em Coimbra, porque temos consciência, de que nada vale o lamento diário ou vergonha contida, se continuarmos a premiar eleitoralmente os prevaricadores.

Termino citando Jean de La Bruyère, “Pensar só em si e no presente é uma fonte de erro em política. “A minha consciência e os valores que me orientam no dia-a-dia nunca me permitiriam a apostasia.

Texto publicado no Jornal Coimbra com Futuro.

PRODUTIVIDADE

5 Maio

Recebi esta foto por mail amigo. Desconheço a autoria, mas fica aqui o agradecimento ao autor, pela oportunidade que nos deu, de conhecer o recurso a trabalho animal para angariação de receita. Como dizia o mail, o gato é que não precisava de exagerar. Segundo a informação que acompanhava a foto, esta foi tirada junto ao estádio municipal Cidade de Coimbra.

Financiamento Internacional

oportunidades e recursos

Praça do Bocage

Conversa sobre o que nos dá na real gana…

almôndega

narrativas, cebolas e molho vermelho

Recordar, Repetir e Elaborar

O de sempre, só que de novo.

Pra Fora

Depositário do que eu vejo por aí

O Informador

Jornalismo, média, actualidade nacional e internacional

Palavras ao Poste

A OPINIÃO (QUASE) CERTEIRA

%d bloggers like this: