Vencer as Autárquicas

22 Jun

O secretário-geral socialista encerra hoje a Convenção Nacional Autárquica do seu partido, três meses antes de um ato eleitoral em que o PS parte com o objetivo de ser a força política mais votada a nível nacional.
A fasquia eleitoral do PS de ter mais votos do que qualquer outro partido foi definida nos últimos dois congressos, que elegeram António José Seguro para a liderança do partido, em 2011 e em abril passado.
Apesar de candidatos socialistas a câmaras municipais, como Marcos Sá em Oeiras e Basílio Horta em Sintra, terem defendido que as eleições de 29 de setembro deverão constituir um referendo ou uma moção de censura ao Governo PSD/CDS, a direção do PS não segue esta tese de âmbito nacional.
Em declarações à agência Lusa, o secretário nacional do PS para a Organização, Miguel Laranjeiro, vincou que a 29 de setembro haverá em Portugal “308 eleições distintas”.
“Cada município é uma realidade diferente”, justificou o dirigente e deputado socialista Miguel Laranjeiro.
Nas últimas eleições autárquicas, em 2009, o PS alcançou o maior número de sempre de vitórias em câmaras municipais, 132 num total de 308, mas a direção de Seguro também não se compromete com qualquer objetivo no que respeita a vencer o PSD em números de municípios conquistados e conquistar por essa via a presidência da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP).
Na Convenção Nacional Autárquica do PS, que decorrerá durante a tarde de hoje no Coliseu dos Recreios, será aprovado um manifesto eleitoral, contendo um conjunto de princípios políticos gerais ao nível do exercício do Poder Local – princípios que se pretende que sejam comuns a todos os candidatos socialistas.
Mas a convenção constituirá sobretudo, segundo Miguel Laranjeiro, “um momento de mobilização dos candidatos autárquicos do PS”.
Antes da sessão de abertura, António José Seguro almoça com autarcas socialistas que estão a cumprir o terceiro e último mandato e que, pela regra interna definida pelo PS, não se recandidatarão em setembro próximo.
As primeiras intervenções da convenção estarão a cargo da presidente do PS, Maria de Belém, do líder da FAUL, Marcos Perestrello, do presidente da câmara de Lisboa, António Costa, e do responsável do Laboratório de Ideias e Propostas para Portugal (LIPP) para o Poder Local, António Borges.
Na convenção, haverá ainda mais 30 oradores, entre dirigentes do PS (como Francisco Assis ou Idália Serrão) e candidatos a câmaras capitais de distrito, casos de Manuel Pizarro (Porto), João Ribeiro (Setúbal), José Junqueiro (Viseu) e Manuel Machado (Coimbra).

PMF // ARA

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Financiamento Internacional

oportunidades e recursos

Praça do Bocage

Conversa sobre o que nos dá na real gana…

almôndega

narrativas, cebolas e molho vermelho

Recordar, Repetir e Elaborar

O de sempre, só que de novo.

Pra Fora

Depositário do que eu vejo por aí

Casa das Aranhas

A Verdade vem Sempre ao de Cima

O Informador

Jornalismo, média, actualidade nacional e internacional

Palavras ao Poste

A OPINIÃO (QUASE) CERTEIRA

%d bloggers like this: