O peso das palavras

11 Jun
Fernando Regateiro na Radio Renascença :
O uso indevido, inapropriado e subvertido das palavras retira-lhes força e gera derivados de baixo peso sem a intencionalidade imanente, íntimos da transgressão moral e ética ou mesmo armas de arremesso e utensílios de tortura.
Em tempo de relativismo, é dele que se alimenta a impunidade do uso libertino da palavra, mas também a falta de reacção justa e pronta dos visados.
Esqueceu-se que a palavra compromete quem a diz e influencia quem a ouve, deixando que se esgote do lado do agressor. Se este vai além dos limites, cresce o sentido “político” da palavra dita para aliviar culpas … e afundar a política!
A banalização dos excessos de linguagem conduziu à resignação e à indiferença do cidadão comum e do homem público, mesmo face à difamação ou ao atentado à honra e ao carácter. Os poucos que reagem (e ainda bem) são olhados de soslaio, quais aves raras ou com algo a esconder.
Hoje, quem se sente, já não será filho de boa gente.

10.-HUC-10-GMM

E, num amanhã de palavras sem peso dissuasor, hão-de crescer as tiranias!…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Financiamento Internacional

oportunidades e recursos

Praça do Bocage

Conversa sobre o que nos dá na real gana…

almôndega

narrativas, cebolas e molho vermelho

Recordar, Repetir e Elaborar

O de sempre, só que de novo.

Pra Fora

Depositário do que eu vejo por aí

Casa das Aranhas

A Verdade vem Sempre ao de Cima

O Informador

Jornalismo, média, actualidade nacional e internacional

Palavras ao Poste

A OPINIÃO (QUASE) CERTEIRA

%d bloggers like this: