Pedro Lains explica falácias das privatizações

11 Dez

” É preciso perceber alguma de coisa de economia para se perceber que a ideia de que vivemos acima das possibilidades é uma falácia. E ainda mais para se perceber que o processo de ajustamento em curso não é para mudar a economia, mas apenas para a contrair, e assim conseguir-se pagar a dívida. E ainda é preciso perceber mais para se explicar tudo isto. Todavia, é mais fácil explicar falácias, em tudo equivalentes, se nos reportarmos a decisões feitas sob esse pano de fundo. A venda da TAP serve muito bem esse propósito, a que podemos juntar a venda do BPN, da EDP, da ANA e da RTP. E que falácias são essas? Vejamos, desde o início:
1) As privatizações foram impostas pela troika: falso, na Irlanda não há privatizações;
2) As privatizações foram negociadas pelos socialistas e o actual Governo só faz o que foi decidido: falso, o Memorando já teve várias e importantes revisões; e, falso, a RTP não está em nenhuma versão do mesmo;
3) As privatizações são feitas sem olhar a interesses: falso, nas privatizações há interesses financeiros de vários milhões, por parte dos bancos intermediários, estrangeiros e portugueses; 4) As privatizações ajudam ao financiamento externo da economia: falso, a EDP conseguiu 1000 milhões de euros de um banco chinês a um preço igual ou superior ao conseguido por outras empresas portuguesas;
5) As privatizações são fundamentais para diminuir a dívida externa: falso, elas renderão apenas uma parcela diminuta do total da dívida (menos de 2%); e, falso, as empresas privatizadas prosseguem com o endividamento no exterior;
6) As privatizações são uma forma de libertar a economia do Estado: falso, mal a EDP foi privatizada, um seu conselho geral foi aumentado em seis membros do PSD (e um do PS); e, falso, desde então nada foi feito para ajustar os preços dos serviços e as taxas de rentabilidade;
7) As privatizações contribuem para a modernização da gestão empresarial do país: falso, os compradores são de países com culturas empresariais menos desenvolvidas do que a portuguesa, incluindo a China, a Colômbia ou Angola;
8) As privatizações estão a ser bem planeadas: falso, o BPN foi vendido no último dia de venda, sob pressão; e, falso, o actual comprador da TAP já faz pressão por causa do eventual menor valor da ANA, caso a TAP não seja vendida; e há dúvidas, muitas dúvidas;
9) As privatizações estão a ser feitas com toda a transparência: falso, não há nenhum órgão externo ao Governo que esteja a controlar ex-ante o processo, e todos os consultores utilizados são contratados pelo Governo.
Dito isto, há outras coisas que elas comprovam, nomeadamente, quão negativa é, politicamente, a intervenção da troika, e quanto este Governo está desinteressado na economia do país e interessado em satisfazer os interesses, directos e indirectos, dos credores, sem sequer pensar em negociar ou em fazer-lhes frente. Exageros? Parece, mas nem por isso. Talvez alguém consiga dizer o mesmo de forma menos bruta. Há alternativa? Sim, fazer as privatizações com tempo, ponderadas e à antiga europeia.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Financiamento Internacional

oportunidades e recursos

Praça do Bocage

Conversa sobre o que nos dá na real gana…

almôndega

narrativas, cebolas e molho vermelho

Recordar, Repetir e Elaborar

O de sempre, só que de novo.

Pra Fora

Depositário do que eu vejo por aí

Casa das Aranhas

A Verdade vem Sempre ao de Cima

O Informador

Jornalismo, média, actualidade nacional e internacional

Palavras ao Poste

A OPINIÃO (QUASE) CERTEIRA

%d bloggers like this: