Não deixem matar a galinha dos ovos de ouro

29 Maio

A imprensa trouxe recentemente a público uma polémica, que está a abalar a Itália, por uma marca de roupa juvenil desenvolver uma campanha publicitária assente na imagem de Hitler. O cartaz, espalhado pelas ruas de Palermo, apresenta a imagem do líder nazi vestido de cor-de-rosa, tendo gravado na braçadeira um coração em vez da cruz suástica e usando o seguinte slogan: “ Muda de estilo. Não sigas o teu líder”.

Percebo a indignação dos italianos!
Não tanto pela cor da farda, mas por ser esta uma campanha que recupera a imagem daquele que foi o responsável por uma das maiores atrocidades que se cometeram contra a Humanidade;

Não tanto pelo coração que substitui a suástica, mas por associada à imagem do ditador surgir um slogan que apela à mudança de um estilo e lança o apelo a uma alteração de liderança o que, no contexto actual, poderemos entender como uma certa publicidade subliminar a uma mudança de regime. Do democrático claro está.

Não vivemos tempos fáceis. Penso mesmo que nos encontramos numa encruzilhada que exige de todos os democratas uma maior atenção nos seus comportamentos.

Numa Europa a sofrer os efeitos de uma grave crise económica, com um acentuado crescimento desemprego e sob um crescente desencanto na qualidade dos agentes políticos, e até dos partidos políticos, continuar a pensar a intervenção política nos moldes como ela se vem desenvolvendo na última década pode ser um erro grave na avaliação da conjuntura.

Os cidadãos europeus olham para o futuro como se ele fosse um enorme ponto de interrogação e defrontam-se, no presente, com uma inquietação crescente sobre qualidade dos que directa ou indirectamente influenciam o seu dia-a-dia.

Olha-se para o futuro dos nossos filhos ou netos com o pressentimento de que ele pode ser bem pior do que o presente, o que é contrário ao que era normal há alguns anos atrás.

E é este estado de espírito que é preciso compreender, sem preconceitos ou falsos receios, para que se possa, a tempo, travar um certo desencanto e esgotamento cívico, que correspondem a ambientes propícios ao aparecimento de falsos profetas, como aconteceu com Hitler e Salazar. Não esquecendo que foi a coberto de uma eleição democrática que subiram ao poder.

Ler notícias que nos trazem realidades como aquelas que ocorrem em Palermo, não são propriamente…palermices.
Antes pelo contrário. São campainhas de alerta para os que têm consciência que o regime democrático é uma galinha de ovos de ouro para a liberdade individual, para o pluralismo de pensamento e para a igualdade de todos perante a lei.

Crer, no tempo presente, que se pode continuar a não alimentar essa galinha com comportamentos verdadeiramente republicanos, porque ela sobreviverá de qualquer forma, é um erro que pode levar à sua destruição.

No FIGUEIRENSE.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Financiamento Internacional

oportunidades e recursos

Praça do Bocage

Conversa sobre o que nos dá na real gana…

almôndega

narrativas, cebolas e molho vermelho

Recordar, Repetir e Elaborar

O de sempre, só que de novo.

Pra Fora

Depositário do que eu vejo por aí

O Informador

Jornalismo, média, actualidade nacional e internacional

Palavras ao Poste

A OPINIÃO (QUASE) CERTEIRA

%d bloggers like this: